Sexta-feira, 3 de Fevereiro de 2012

Test Bike - Rockhopper SL (na cidade)

Depois de ter feito recentemente o teste à Rockhopper SL em Sintra, o Paulo Guerra dos Santos, engenheiro civil, utilizador de bicicleta e responsável por projectos como os "100 dias de bicicleta em Portugal" ( http://100diasdebicicletaemportugal.blogspot.com/ ) ou as Ecovias de Portugal ( http://www.wix.com/ecoviasportugal/ecovias ) levou esta bicicleta para a cidade. Aqui ficam as suas impressões acerca da experiência de levar a Rockhopper SL para as ruas de Lisboa:

 

Rock(hopper) in the city, com Paulo Guerra dos Santos

 

 

Utilizador:

Paulo Guerra dos Santos tem 38 anos é Mestre em Vias de Comunicação e Transportes e pedala pela cidade. Aos 13 anos começou a pedalar em estrada, em provas da Federação Portuguesa de Cicloturismo. Aos 27 comprou a sua primeira bicicleta de montanha, para voltas em Monsanto.

Em 2008 foi o autor do projecto “100 dias de bicicleta em Lisboa”, altura em que começou a utilizar a bicicleta como meio de deslocação diária para o trabalho, na capital. Em 2010 realizou o projecto “100 dias de bicicleta em Portugal”, numa volta de 4500 km pelo país durante 4 meses. Actualmente explora trilhos e regista-os em GPS criando roteiros turísticos para viagens de longa distância em bicicleta no nosso país, com uma Specialized CrossTrail DeLuxe cedida pela Movefree.

 

Bicicleta de teste:

A RockHopper SL 17.5 cedida pela Movefree foi testada em dois dias diferentes (dia útil e ao fim-de-semana) numa exploração do seu comportamento em cidade nas calçadas e asfaltos da ciclovia do rio e da zona histórica da velha Olisipo. Tem suspensão dianteira, 9 carretos na roda traseira e 3 pratos na roda pedaleira, desviadores Shimano e travões de disco hidráulicos. Roda 26” de diâmetro com 2.00” de largura. O teste foi feito a 18 e 21 de Janeiro 2012, nas ciclovias e ruas da capital. O destino: a colina da Graça.

 

Tipo de terreno, andamento, topografia, estado do terreno

Utilizou-se vias urbanas com pavimentos diversos e estados de conservação muito heterogéneos. Tempo seco e fresco. Altitudes variaram desde as zonas baixas e planas junto ao Rio Tejo até à cota 110 metros nas colinas do Castelo e da Graça. Velocidade média a rondar os 15 km/h, em ritmo de deslocação diária para o trabalho ou universidade. Distância total percorrida: 27 km.

 

 

Look and feel da
bicicleta

Sendo a minha experiência no dia-a-dia a pedalar numa bicicleta de quadro aberto (tipo holandês) estou habituado a uma posição de condução menos desportiva e mais casual. Na Rockhopper salta logo à vista o quadro fechado de montanha e o sofisticado selim de competição bem como a ausência de porta-bagagens e de outros acessórios como campaínhas e dínamos, o que lhe confere um look sóbrio e atractivo. Ao pegarmos na bici sentimos de imediato o seu baixo peso e nas pedaladas iniciais verificamos que os manípulos das mudanças são suaves e precisos.

 

À combinação de cores com o preto predominante no quadro sobrepõem-se as linhas e textos a branco identificadores da marca e do modelo, num contraste perfeito com selim e punhos também a branco criando-nos a ilusão de uma peça única, bem equilibrada e algo misteriosa.

 

 

Experiência de utilização:

Para quem no seu dia-a-dia veste indumentária casual como calças de ganga e camisolão, o tecnológico selim de competição com que esta máquina vem dotada poderá causar algum desconforto à falta do calção de Lycra almofadado. A solução passa assim por cobrir o selim com uma capa de gel, o que se revela uma mais-valia ao nível do conforto para o traseiro do comum dos mortais. Ultrapassadas as questões logísticas de assento, logo no
arranque cruzo-me com o tradicional eléctrico 18 e respectivos carris. Sendo em regra um ponto de estradas a atravessar com todas as cautelas, rapidamente esta máquina comercializada pela Movefree demonstra que o contrário também pode ser verdade. Os pneus de 2.00” de largura não cabem no carril, ultrapassando facilmente este obstáculo tantas vezes causador de acidentes, sem necessidade de um grande ângulo de viés. A suave e equilibrada suspensão bem como o cardado dos pneus completam este kit de segurança anti-carril.

 

 

Seguindo viagem pela ciclovia do rio, cerca de 7 km junto ao Tejo entre o Cais-doSodré e Belém, pedalar por caminhos com pavimentos tão diversos como cimento, calçada fina, calçada grossa, asfalto, lajes de calhaus rolados, relvados e até areia e pedra - naquele que será o último areal em Lisboa - faz-se sem problemas e com suavidade nesta máquina, sem percalços e com total segurança. A presença de lancis não biselados faz-se notar nesta ciclovia, mas com uma bicicleta destas galgá-los é um prazer e chegamos mesmo a desejar encontrar mais obstáculos deste género para brincar com esta menina.

 

 

Alcançado com todo o prazer o destino Belém, aguardava-nos agora o derradeiro teste: algumas das históricas colinas. Apesar de dois terços da área urbana da capital serem planos ou com inclinações suaves amigas dos ciclistas, a curiosidade crescia para analisar o desempenho da Rockhopper nas seculares e em alguns casos muito inclinadas ruas alfacinhas de calçada grossa de basalto.

 

 

Começamos a pedalar na Baixa e rapidamente passamos pela Sé. A suspensão dianteira mostra-se suave e estável nas subidas e reduz as vibrações transmitidas aos pulsos ao pedalar sobre a calçada antiga. A grande amplitude de desmultiplicações com que a bicicleta é dotada permite subir com esforço controlado. Cada pedalada torna-se um prazer e em menos de 20 minutos chegamos ao topo, sem com isso perdermos o fôlego ou chamarmos nomes feios ao Newton. A Graça e o intimista Miradouro do Monte Agudo são fáceis de alcançar pois com esta bicicleta conquistar as colinas parece uma brincadeira de meninos.

 

Mas a maior surpresa ainda estaria para vir: a descida. O regresso ao rio fez-se passando pela Feira da Ladra descendo a grande velocidade pela calçada grossa das ruas de Alfama, num ziguezaguear entre carris, eléctricos e turistas surpreendidos à passagem de um ciclista eufórico. Esta é uma bicicleta que nos transmite uma grande sensação de liberdade e segurança, não podendo deixar de dizer que se sente um certo nervoso miudinho e pontuais descargas de adrenalina quando a temos nas mãos.

 

Componentes

Em geral temos um conjunto equilibrado, com os discos de travão hidráulicos e os desviadores Alivio e Deore comandados por manípulos e manetes bem afinados a proporcionarem uma experiência de condução segura e precisa. A suspensão dianteira regulável com 80 mm de curso não prejudica o desempenho nas subidas e as rodas de 26” mantêm o centro de gravidade/balanço baixo, facilitando as manobras no desvio de obstáculos. O quadro é leve, resistente e com deflexão reduzida.

 

Esta bicicleta é perfeita para:

Utilizadores exigentes que pretendam ter uma única bicicleta, fiável e robusta para diversos tipos de solicitação, desde a utilização diária como meio de transporte ao todo-o-terreno ou às longas viagens em turismo de natureza. A evoluir: dotar esta máquina com furação facilitadora da montagem de porta-bagagens para suporte de alforges e descanso para paragens. Excelente comportamento a vários níveis: conforto, fiabilidade, agilidade, robustez.

 

Até 31 de Março, poderá encontrar a Specialized Rockhopper SL nas lojas MoveFree a um valor de 699EUR (preço anterior: 899EUR) e a MoveFree a marca oferece-lhe ainda um conta-quilómetros, grade porta-bidon e bidon, para que possa começar a pedalar ainda hoje!

 


Publicado por Eupedalo às 11:08
link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 16 de Janeiro de 2012

Test Bike - Rockhopper SL

O Paulo Guerra dos Santos, engenheiro civil, utilizador de bicicleta e responsável por projectos como os "100 dias de bicicleta em Portugal" ( http://100diasdebicicletaemportugal.blogspot.com/ ) ou as Ecovias de Portugal ( http://www.wix.com/ecoviasportugal/ecovias ) colocou de lado a sua Crosstrail para testar uma Specialized Rockhopper SL num tipo de utilização adequado para exploração em trilhos. Aqui ficam as suas impressões acerca desta bicicleta:

 

Utilizador:

Paulo Guerra dos Santos, 38 anos, Engenheiro Civil Aos 13 anos começou a pedalar em estrada, em provas da Federação Portuguesa de Cicloturismo. Aos 27 comprou a sua primeira bicicleta de montanha, para voltas em Monsanto. Desde 2008 que utiliza uma bicicleta como meio de deslocação diária para o trabalho, em Lisboa. Em 2010 realizou o projecto “100 dias de bicicleta em Portugal”. Actualmente explora trilhos e regista-os em GPS, criando roteiros turísticos para viagens de longa distância em bicicleta, no nosso país, com uma Specialized CrossTrail DeLuxe, cedida pela Movefree.

 

 

Bicicleta de teste:
A Movefree lançou o desafio: colocar temporariamente de lado a Poderosa (CrossTrail DeLuxe adaptada a longo curso) e testar uma RockHopper SL 17.5, equipada a rigor para a montanha. Testámo-la num dia de exploração de trilhos para a futura Ecovia de Lisboa ao Porto, das Ecovias de Portugal, no Parque Natural de Sintra-Cascais, com partida do Guincho. O teste foi feito a 8 Janeiro 2012, no Parque Natural Sintra-Cascais, com mais dois amigos, com o objectivo de explorar trilhos para a definição da Ecovia Lisboa-Porto, das Ecovias de Portugal. O arranque foi do Guincho e o destino era o Convento da Peninha.

 

Tipo de terreno, andamento, topografia, estado do terreno

Caminhos de macadame regulares (terra batida) e de pé posto, algum cascalho e pedra grossa. Tempo seco e frio. Altitudes desde cotas baixas junto ao oceano até à cota 470 metros. Velocidade lenta, com média inferior a 10 km/h, em ritmo de passeio. Distância total: 35 km.

 

 

Look and feel da bicicleta:

Sendo a minha experiência em pedaladas maioritariamente em modo citadino (deslocação diária para o trabalho) e em touring (viagens de
longo curso) não poderia ser mais positiva a experiência de montar esta máquina em ambiente de todo-o-terreno. Desde o reduzido peso, passando pelo conforto e facilidade de condução, esta bicicleta mostrou o que vale num dia intensivo de pedaladas pela Serra de Sintra. Como não podia deixar de ser, os designers da marca tiveram o especial cuidado na escolha da combinação de cores. Ao preto predominante no quadro, sobrepõe-se as linhas e textos a branco identificadores da marca e do modelo, numa combinação perfeita com selim e punhos, criando-nos a ilusão de uma peça única e bem equilibrada. O suporte do GPS monta-se com facilidade no avanço do guiador, e uma vez ligado e activado o receptor de sinal de satélite tem-se uma boa posição para leitura dos mapas, trilhos e coordenadas de posicionamento.

 

Experiência de utilização:

Logo no arranque, com a precisão de um relógio suíço, o desviador responde rápida e suavemente às instruções dos polegares e indicadores, que ordenam uma nova mudança. A transmissão por corrente tem uma resposta sem folgas, num movimento suave com pouco ruído. O selim, de última geração, garante uma boa relação conforto/desempenho. Os gatilhos dos manípulos das mudanças em conjunto com as manetes dos travões de disco hidráulicos permitem uma confortável posição de condução, reduzindo a tensão nas mãos e nos pulsos. A suspensão dianteira, suave e regulável em pressão, reduz as dificuldades que pontualmente se atravessam no caminho desta roda 26”,
aderente e larga. No que toca ao rolar, a Serra de Sintra com os seus trilhos e caminhos que nos elevam a quase 500 metros acima do nível do mar pede um conjunto de mudanças que exija do ciclista o menor esforço possível. Os 9 carretos da cassete traseira combinados com os 3 pratos dianteiros oferecem uma gama de desmultiplicações, que transformam o esforço de pedalar em subida no prazer da conquista de um topo sem perder o fôlego.

 

Em caminhos de macadame (terra batida) todo o conjunto surpreende pela facilidade de condução, pelo reduzido esforço em subida na mudança mais leve e pela facilidade na transposição de irregularidades no pavimento, sem perda de potência e velocidade significativos. E as boas surpresas não se ficam por aqui. Como tudo o que sobe tem que descer, escolhemos regressar por caminhos íngremes com piso irregular para ver o desempenho desta máquina sob stress. Ao descer com fortes inclinações em piso de cascalho e pedra grossa, largar os travões pode parecer absurdo, mas nem a dureza das pancadas na roda dianteira e na suspensão, o deslizar das rochas por baixo dos pneus ou as derrapagens controladas desviam esta máquina da sua função: proporcionar prazer, segurança e conforto em pedaladas pela serra, sejam em modo de passeio ou já com algum espírito de competição.

 

 

Componentes

Em geral temos um conjunto equilibrado, com os discos de travões hidráulicos e os desviadores Alivio e Deore comandados por manetes e manípulos afinados a proporcionarem uma experiência de condução segura e precisa. A suspensão dianteira regulável com 80 mm de curso não prejudica a pedalada nas subidas e as rodas de 26” mantêm o centro de gravidade/balanço baixo, facilitando as manobras no desvio de obstáculos. O quadro é leve, resistente e com deflexão reduzida. A evoluir: dotar esta máquina com furação facilitadora da montagem de porta-bagagens para suporte de alforges e descanso para paragens.

 

 

Esta bicicleta é perfeita para:

Utilizadores em todo-o-terreno exigentes na fiabilidade dos componentes e na leveza do conjunto. Com pequenas adaptações, muito boa para rolar nas Ecovias de Portugal, em caminhos de macadame e algum asfalto.

 

 

Até 31 de Março, poderá encontrar a Specialized Rockhopper SL nas lojas MoveFree a um valor de 699EUR (preço anterior: 899EUR) e a MoveFree a marca oferece-lhe ainda um conta-quilómetros, grade porta-bidon e bidon, para que possa começar a pedalar ainda hoje!

 

 

 


Publicado por Eupedalo às 11:24
link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

SUBSCREVER FEEDS

ACERCA

Este é o blog da MoveFree. Um blog dedicado a todas as pessoas que pedalam, dos profissionais aos amadores, dos que competem em cima de uma bicicleta aos que gostam de dar umas pedaladas com a família e amigos. Um blog inclusivo e que se compromete a partilhar noticías e informações dedicadas ao ciclismo, à natureza e sustentabilidade.
Eu Pedalo on Facebook

TAGS

2011

24h

24h of exposure

aldeias sos

amigos do pedal

ana galvão

andré egreja

apoio movefree

atleta movefree

audace

avalanche

bicicletas

bike performance center

bikesharing

bmc

brasil ride

bruno espinha

btt

c.o.o.

campanha

campanhas

campeão europeu

cape epic

ciclovias

codigo da estrada

competição

criança

david rosa

dolce vita tejo

downhill

ecologia

enduro series

equipas

estrada

eventos

festival bike

filomena gomes

fórum sintra

forum sintra

freestyle

iceland luso expedition

inovação

itinerários da memória

joana marques

joão barbosa

lisboa

lousã

mafra

mafra btt

malandros btt

maratona de sintra

maratonas

master class

metralhas btt

moda

motovedras

movefree

movefree factory team

movefree/shimano

movefree_

natal movefree

nuno machado

oestebike

oribtt

pardal

passatempo

passeio movefree

passeio nocturno

passeios

passeios de loja

passeios nocturnos

patagonia luso expedition

paulo guerra dos santos

pedro dias

pedro duque

pedro maia

produtos

promoções

raid btt

ribamar

ricardo mendes

rockhopper sl

são martinho

saúde

scott

scott scale 900 rc

segurança

sintra

site movefree

solidariedade

specialized

stumpjumper ht

tapada nacional de mafra

test bike

torres vedras

transalp

treinos

triatlo

tutorial

urbano

todas as tags

ARQUIVOS

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

LINKS